Violinos elétricos

Assim como temos a guitarra elétrica e o violão, o contrabaixo elétrico e o acústico, também há o violino “normal” (geralmente é só “violino”) e o elétrico. Como nos outros casos, o violino elétrico usa captadores eletrônicos para capturar as vibrações das cordas e produzir o som, o que dá a ele muita liberdade de formato e material de que é feito, já que não precisam ter caixa acústica, como pode ser visto nesta imagem:

Violinos elétricos

Eu pessoalmente prefiro a sonoridade do acústico, especialmente quando, aproveitando ser um instrumento elétrico, fazem uso de pedais de distorção, como nas guitarras. Algumas músicas, se você não assistir o vídeo, mal dá para dizer se é um violino ou uma guitarra. Veja por exemplo esta música da Caitlin De Ville:

Não me entenda mal, o resultado é bom. Eu só não acho muito “violinístico”.

Mas tenho que reconhecer que como tudo na vida, é possível sim tirar sons interessantes e diferentes de um violino elétrico, como esta apresentação da Plummy Lettice no Britain Got Talent (caso queira pular o papo introdutório, a música começa em 1min57s):

E até a Lindsey Stirling tem alguns vídeos usando violinos elétricos, como um dos últimos, em que ela faz um duelo de faroeste contra bandidos que usam guitarra:

Veja aí e forme sua opinião sobre essa alternativa aos violinistas.

Mozart tocado em seus próprios violino e viola

Encontrei esse vídeo no site “Arts Journal“. Ele mostra uma exibição de dois músicos tocando uma obra de Mozart (Finale of the Duo in G, K. 423) em um violino e uma viola que até onde se sabe pertenceram ao próprio Wolfgang Mozart. Tem uma parte inicial onde eles falam um pouco do violino em inglês. Infelizmente não tenho tempo para traduzir a entrevista, mas a parte importante não precisa de legendas, não é?

Violino do Titanic é autenticado após 101 anos

Placa de prata que permitiu autenticação.

O violino do chefe de orquestra do Titanic foi encontrado em um sótão na Inglaterra e autentificado 101 anos após o naufrágio do navio, indicou uma casa de leilões britânica.

Foram necessários sete anos para certificar a origem do instrumento, que milagrosamente sobreviveu ao naufrágio, explicou Andrew Aldridge, da casa Henry Aldridge & Son localizada no sudoeste da Inglaterra.

O violino feito de em pau rosa pertenceu a Wallace Hartley, chefe da pequena orquestra do Titanic, que ficou conhecida por ter tocado até que o navio desaparecesse no Atlântico em abril de 1912.

O cadáver de Wallace Hartley passou dez dias na água. “O violino foi encontrado em uma mala de couro, que estava presa a seu corpo”, contou à AFP Andrew Aldridge.

Pouco tempo depois da tragédia, a mãe de Wallace Hartley disse à imprensa: “eu sabia que ele morreria com seu violino. Ele era apaixonadamente ligado a este instrumento”.

O violino, presente de sua noive Maria Robinson, tinha uma pequena placa em prata escrita “Para Wallys, por ocasião de nosso noivado. Maria”, um elemento que permitiu autenticá-lo.

Os peritos que examinaram o instrumento também concluíram que “os sedimentos e a ferrugem” encontrados no violino eram “compatíveis com uma imersão na água do mar”, segundo Andrew Aldridge. Após o resgate do instrumento, as autoridades canadenses o enviaram a Maria Robinson.

E em sua morte, em 1939, foi confiado ao Exército da Salvação. Em uma carta escrita no início dos anos 1940, uma professora de música da organização escreveu: “É quase impossível tocar (com o violino), provavelmente por causa de sua vida movimentada”. O instrumento foi então dado a uma família que o guardou em seu sótão.

“É uma incrível história humana”, comentou Andrew Aldridge. “Wallace Hartley é uma das personalidades mais importantes” da história do Titanic, principalmente devido “a sua coragem”, acrescentou, considerando que este violino “é a lembrança mais importante do Titanic”.

Este violino é avaliado em pelo menos 100 mil euros. Ficará exposto a partir da Páscoa na prefeitura de Belfast, cidade onde o Titanic foi construído. Está fora de questão colocá-lo em leilão por enquanto, segundo Andrew Aldridge, que está negociando com museus.

O Titanic naufragou nas águas geladas do Atlântico Norte durante sua viagem inaugural na madrugada do dia 14 para o 15 de abril 1912 após colidir com um iceberg. Entre as cerca de 2.200 pessoas a bordo, 1.500 morreram, entre elas os oito membros da orquestra.

Violino que “sobreviveu” ao naufrágio do Titanic.

Fonte: Terra

Sobre Tamanhos de Violinos

string-section

Violinos de diferentes tamanhos (Crédito da foto: JeremyOK)

Uma coisa que eu não fazia ideia antes de pensar em estudar violinos é que existem vários tamanhos de violinos, sendo que praticamente todos a partir de uma certa idade usam o tamanho 4/4 (full size). Os demais tamanhos são geralmente indicados para crianças e são representados por frações do tamanho completo, como por exemplo: 3/4, 1/2, 1/4, 1/8, 1/10, 1/16, 1/32 e até 1/64.

Essas frações não representam uma fração do tamanho exato em relação ao 4/4. Seus tamanhos aproximados são os seguintes (esses tamanhos aparecem diferentes em diferentes sites):

Tamanho Corpo (cm)
4/4 35,8
3/4 33,7
1/2 31,6
1/4 27,9-28,9
1/8 25,4-26,0
1/10 23,8
1/16 23,1
1/32 20,6
1/64 18,2

Fonte: http://www.mccabes.com/violsize.html

Veja também o que a Wikipedia diz sobre isto (em inglês).

Sobre Cordas de Violino

violin strings, used and new, coiled on a work...

Cordas de violino, usadas e novas, enroladas sobre uma bancada (Crédito da foto: Wikipedia)

A quantidade de informações para escolher uma corda para colocar no violino é impressionante. Aqui faço um pequeno resumo do que vi até agora.

Marcas: buscando na Internet é possível achar fãs de muitas marcas diferentes. Alguns dizem que a marca ideal para seu violino depende do instrumento: alguns instrumentos terão melhor sonoridade com determinadas marcas, outros com outra, o que não faz a marca X ou Y ser melhor. Algumas marcas que li algumas coisas por aí:

  • Thomastik Dominant (bem recomendada, inclusive pela minha professora)
  • Mauro Calixto (nacional, tida como opção barata e de boa qualidade)
  • Pirastro Tônica (tida como boa e que “casa” com qualquer violino)
  • Pirastro Evah Pirazzi (tida como muito boa, porém um pouco mais cara)

Claro que existem muitas marcas boas que não estou citando, apenas listei algumas de que ouvi falar. Não estou dizendo que essas são as principais, mais usadas ou as melhores.

Outro aspecto a considerar é o núcleo (core), cujos mais comuns são:

  • Aço (steel)
  • Tripa
  • Sintético, geralmente nylon

Por fim, o material que cobre o núcleo. Os mais comuns são:

  • Aço
  • Alumínio
  • Prata
  • Ouro

Algumas cordas também tem variações de dureza: light, medium e heavy.

Todos esses aspectos influem na sonoridade do violino e a escolha de cada pessoa tem que considerar seu instrumento e seu objetivo. Um solista de uma orquestra provavelmente terá escolhas diferentes de um estudante iniciante. Assim como alguém que toca um Stradivarius de US$2.000.000 escolherá cordas diferentes de alguém que comprou um violino na loja por R$200.